Natal, Natal

 Espírito natalino e eu passo aqui rapidinho pra mandar um beijo a todos, um natal sensacional, em boa compania, com ótima comida. Falando em boa comida sonhei que o bebê vindouro era um menino. No sonho eu olhava pra barriga e escutava a voz dele (??) falando assim “Mãe, eu queria um perú de natal sem tempero e sem conservantes”. Juro por Deus.

***

Noah, querido, pena que você ainda não consiga entender muito do que o Natal significa. Mas eu farei o possível para que, num futuro próximo, a casa seja sempre bem decorada e natalina! Quando a mamãe diz “futuro próximo” ela se refere a um tempo em que ela já não encontre a rena do papai noel e outras pecinhas de decoração natalina misturadas ao seu cocô.

***

 Ano passado você entendia menos ainda, coitadinho, com nem 2 meses de vida. Você me olhou e sorriu e eu, emocionada, saí cantando “Natal das Crianças” numa desafinação de  arrepiar a barba do bom velhinho. Esse ano a coisa foi totalmente diferente: você acordou e eu disse “é natal, filho”, ao que você respondeu “na-tal”. E eu, emocionada, saí cantando  “Natal das Crianças”, numa desafinação de fazer cair a barba do Seu Nicolau.

***

Lá em casa, quando eu era pequena, Natal era hora de ganhar aquele presente que a gente não ganhava o ano inteiro. Eis alguns brinquedos que já amanheceram embaixo da árvore da sua mãe:

Por aí voce calcula as primaveras da pessoa.

***

E falando do passado, engraçado como filho deixa a gente toda natalina, querendo que o Natal dure pra sempre e tal. Não foi sempre assim, pelo menos não no meu caso. Quer ver, olha que pessoa mais anti-navidad eu era em 2004:

Meu Papai Noel tentou matar meu Pai

Natal deveria ser proibido.  

Quando eu era pequena, meu pai foi atacado pelo Papai Noel. Lembro como se fosse hoje: 6 da manhã, eu com sono leve de ansiedade natalina, acordei com meu pai berrando. Era algo do tipo “Sai pra lá, Papai Noel!! Aaaaai, me arranhou, aaaaai, agora me chutou, aaaaaai!!!”. Passei a odiar o bom velhinho. Em compensação, meu pai, virou meu herói. 

Meu pai, que tem barba vermelha, sempre gostou de posar de salvador. Em circunstâncias semelhantes, ele matou o coelhinho da páscoa. Lembro que tinha 7 anos e a professora perguntava sobre os ovinhos de chocolate. Levantei a mão e falei que, nos meus, ele não tocava. Diante da perplexidade da Tia Marta, expliquei que não dava pra confiar naquele coelho miserável. Percebi, em meio a decepção e ao choro compulsivo do menino Cleiton, que a 2a. série A nunca mais seria a mesma. Virei anti-cristo café com leite.

Não da pra gostar de Natal. Seja no Brasil ou na Noruega, as pessoas terminam as celebracões natalinas mais gordas e mais endividadas. Isso sem falar nos filmes que a TV comeca a exibir. O Mel Gibson fazendo boneco-de-neve, a Julia Roberts em sexo explícito com o Papai Noel e tudo mais que nos deixa a milhas de distância deste mundo irreal. Irreal porque papai noel nao existe e a Michelle Pfeifer estranhamente não engorda no Natal. Intragável. 

O bom de passar o Natal longe do Brasil é que voce foge desta cafonice que é fingir ser inverno. Esta é provavelmente uma das coisas mais absurdas desta época do ano. Os unicos que agradecem a nossa canalhice são os produtores de algodão, que nos proporcionam a sensação de que amanheceu nevando sobre o pinheiro. E só sobre ele. 

Fora os presentes. Deus, eu não sei se é só comigo, mas sou vitima de presentes mal comprados. Sempre ganhei dezenas de chinelos e enfeites de porcelana. E não lembro de um só Natal que minha vó não tenha me dado um guarda-chuva. Criamos, eu e ela, um codigo para evitar sorrisinho de frustração. Eu dizia “é sempre útil”, ela me abraçava e comentava “nunca é demais.” 

Não quero estragar a Noite Feliz de ninguem, e portanto, deixo aqui meus sinceros votos de Feliz Natal. Mas devo avisar : Papai Noel não existe (meu pai acabou com ele nos anos 80), o cartão de crédito há de ser pago no próximo mês, e, 100 gramas de nozes oferecem ridículas 800 calorias. Ah…e caso voce ainda não tenha percebido, o seu Tio Moacir vai voltar a odiar o seu Tio Henrival na manhã do dia 26.  

Jingle Bell. 

 (escrito em Londres, Natal de 2004, aos -5 Celcius)

Então não se deixe enganar, meu querido filho: por trás desta mãe blogueira de aparente inocência e vibrante espírito natalino  jaz uma rebelde anti-natal.

( Isso não quer dizer que eu vá deixar você ir acampar com a Fernandinha no dia 24, porque afinal de contas “Natal sucks e só serve pra invocar o impulso capitalista dessa nossa sociedade  hipócrita, né manhê”) 

Sem chance, filhote.

Anúncios

15 Respostas para “Natal, Natal

  1. Amei o post todinho, amei, amei, amei! Sensacional! E eu tenho fofoletes até hoje, agora, devidamente escondidas para não fazer vergonha.
    Eu não sei mais o que dizer porque o post foi tão sensacional que qq observação boba de minha parte estraga. Um Natal cheio de coisas engraçadas pra vc e Noah contarem mais tarde! Beijocas nos três

  2. Oi Roberta!
    E nunca gostei de Natal, não só pelas confusões familiares e pela tiara dourada, marrom cocô e cor de rosa que minha tia me dava dizendo que tinha achado minha cara. Mas sei-la, acho que tem que ter um dom pra gostar da coisa, nunca gostei, e embora ame decoração, essas de natal eu não consigo! Mas hoje eu finjo que gosto pra alegrar os filhotes, mãe é mãe né?
    Adorei o post, e esses brinquedos eu conheço todos infelizmente (infelizmente pela idade que me enquadra na época, nçao pela qualidade pois eram ótimos) e já ganhei alguns. Adoro seus posts. Querida, desejo de coração Boas festas, e muitas alegrias pra 2010, que serão garantidas com a chegada de mais um pequeno…Feliz Natal!
    beijos

  3. hahahaaha excelente!!!! Eu até que gostava de Natal quando era criança, mas depois de crescidinha (ops, eu tb tive esse brinquedos), eu fui saber quanto custava, qual trabalho dava e o quanto engordava, daí passei a não achar tão “mágico” 🙂

    Mto bom post, adorei!

    Feliz Natal pra vcs!!!

    beijos

  4. ahahahaha
    Que época boa, né?
    Não tenho mais nenhum destes brinquedos, uns perdi, outros quebrei… as fofoletes, minha irmã babujou algumas e arrancou a cabeça de outras…eheheheh
    Eu sempre amei Natal, e agora, com o Arthur do meu lado, amo ainda mais!
    Beijo grande, querida, que vocês se divirtam muito!Quanto ao sonho… bem, minha mãe, que dizia ter certeza de que quem viria era a Juliana (sonhava direto com a menina loura de cachinhos), passou a contar que sonhava com a anunciação do Arthur (ele aparecia pra ela, escondido atrás de um menininho que ela evangelizava na época…), assim que a US declarou que era ele quem estava vindo…ahahahah
    E o seu feeling, diz o que?
    Beijo grande!
    Ótimo Natal, e um 2010 mais que maravihoso pra vocês!

  5. FANTÁSTICO esse post! Amei! Principalmente o final, do natal com a Fernandinha…hahahaha
    Ainda não to preparada pra Fernandinha ligando aqui em casa e me chamando de tia…hahahaha
    To atrasada pro Feliz Natal, mas desde já desejo um 2010 incrível. beijos, Re

  6. ai roberta, você tá se superando a cada dia. você, a mari e o neural formam a tríade dos blogs mais impagáveis que eu acompanho. me acabo!
    well… tive os mesmos brinquedos, além dos queridos poneys, ursinhos carinhosos, moranguinhos e outros melados como esses… afe. gostava muito do natal quando criança, e conservei um certo espírito natalino ainda depois de crescidinha… mas esse ano – que devia ser o mais jingle bells, como você mesma disse, por conta do pequeno – foi meu ano mais sem saco (e sem grana…): nada de presentes, nada de correria, nada de stress, nada de convivência compulsória com quem quer que seja. Só encontrei quem eu curto muito, foi um natal intimista, e delicioso. Sem cartões, posts, emails e falsas juras de vamos nos encontrar mais no ano que vem.
    Mas também me prometi entrar mais no clima no ano que vem, já que caio virou fã do “papai oel” e dos enfeites natalinos, curtiu pacas.
    Vejamos no ano que vem…
    Um ótimo recomeço por aí, curtindo muito o barrigão (ou ainda tá barriguinha??)
    beijo grande
    thaís

  7. Coincidência ou todas as sogras e pais são iguais? Outro dia você disse que seu pai ficava narrando desgraça e incapacidades quando vc era pequena, no estilo: “vc não vai conseguir, não vai, não!” O meu era bem parecido, isso quando ele resolvia falar, pois quase sempre era mudo haahahaha Até hoje é assim! Haja divã! E minha sogra fez as mesmas observações que a sua com relação à ausência da árvore. hahaha Haja espírito natalino, nénão? Beijocas

  8. Peru sem conservantes… taí um bebê consciente 😉 quem sabe ele não evolui e pede um tofurkey no próximo natal?

  9. Tia Rô: e comigo, vc deixa o Noah passar uma semaninha? Tá bom, no Natal ele fica por aí…mas no reveillon a gente pode viajar? Ass. Nina
    PS: adorei, adorei, adorei o post! Morri de rir! E esses brinquedos?! Nossa eu amava fofolete! Tinha um monte! Meu Deus? Onde elas foram parar? Pera aí…vou ali ligar prá minha mãe!
    Beijo!
    Dani

  10. Cheguei atrasada, mas tenho que dizer o quanto amei os textos (o atual e o de 2004). Também achava Natal um saco, até ter a Ciça e me pegar fazendo árvore de Natal em casa, enfeitando mais a casa a cada ano, quem diria? Ainda assim, detesto compras de Natal, aeroportos cheios, engarrafamentos e este espírito natalino às avessas que faz as pessoas passarem por cima umas das outras para comprar mais e melhor.
    Beijos

  11. Passei para desejar um 2010 bem Bochechudo!
    Com carinho,
    Dany

  12. Rô, somente três comentários:
    – nada como uma criança para tornar todo mundo discípulo de Santa Claus.
    – tive todos esses brinquedos. Tô velha, eu sei.
    – meu palpite para o baby é MENINA. Façam suas apostas!!

    um 2010 incrível para você e para a família
    beijocas
    pat

  13. gente, eu tinha estes brinquedos tambem!! e sabe que o Genius estava ate outro dia la na casa da minha mae? e quase funcionando? quase porque as vezes a luz acendia, as vezes nao, mas lembro que quando achei la dentro do armario do meu ex-quarto me emocionei! e falando em presentes desta epoca, tava falando pro Ede que quando eu era crianca tive que escolher entre ganhar um violao e o fofao!!!! claro que escolhi o fofao, dai o Ede falou “bem, vc nao aprendeu violao, mas podera cantar as musicas do fofao pra Luisa” e o pior eh que lembro do ursinho pimpao ate hoje, e canto com orgulho pra Luisa dormir. ai ai !!!

  14. E eu tava lá, nesse mesmo natal, do seu ladinho!! Ai, que saudades daquele tempo..

    Beijo, querida, e feliz ano novo!!!

  15. Cara Roberta,
    É uma pena que o espírito do Natal, assim como o da Páscoa, não tenha nenhum efeito positivo na sua vida. Certamente quando éramos crianças o Natal tinha mais sentido, mas a união, a família, a festa e o amor que o espírito desta data nos trás não pode ser esquecido.
    Ser feliz é ser criança, gostar de doce, trocar presente no natal e ganhar chocolates na páscoa.
    Tenha uma vida mais doce e menos amargurada!
    Abraços natalinos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s