Arquivo do mês: dezembro 2009

Feliz 2010!

Desejo a todos um 2010 leve, cheio de saúde e de muita, MUITA paz. 

Deixo vocês com Noah versão Carlinhos de Jesus.

Beijo e até ano que vem!

Natal, Natal

 Espírito natalino e eu passo aqui rapidinho pra mandar um beijo a todos, um natal sensacional, em boa compania, com ótima comida. Falando em boa comida sonhei que o bebê vindouro era um menino. No sonho eu olhava pra barriga e escutava a voz dele (??) falando assim “Mãe, eu queria um perú de natal sem tempero e sem conservantes”. Juro por Deus.

***

Noah, querido, pena que você ainda não consiga entender muito do que o Natal significa. Mas eu farei o possível para que, num futuro próximo, a casa seja sempre bem decorada e natalina! Quando a mamãe diz “futuro próximo” ela se refere a um tempo em que ela já não encontre a rena do papai noel e outras pecinhas de decoração natalina misturadas ao seu cocô.

***

 Ano passado você entendia menos ainda, coitadinho, com nem 2 meses de vida. Você me olhou e sorriu e eu, emocionada, saí cantando “Natal das Crianças” numa desafinação de  arrepiar a barba do bom velhinho. Esse ano a coisa foi totalmente diferente: você acordou e eu disse “é natal, filho”, ao que você respondeu “na-tal”. E eu, emocionada, saí cantando  “Natal das Crianças”, numa desafinação de fazer cair a barba do Seu Nicolau.

***

Lá em casa, quando eu era pequena, Natal era hora de ganhar aquele presente que a gente não ganhava o ano inteiro. Eis alguns brinquedos que já amanheceram embaixo da árvore da sua mãe:

Por aí voce calcula as primaveras da pessoa.

***

E falando do passado, engraçado como filho deixa a gente toda natalina, querendo que o Natal dure pra sempre e tal. Não foi sempre assim, pelo menos não no meu caso. Quer ver, olha que pessoa mais anti-navidad eu era em 2004:

Meu Papai Noel tentou matar meu Pai

Natal deveria ser proibido.  

Quando eu era pequena, meu pai foi atacado pelo Papai Noel. Lembro como se fosse hoje: 6 da manhã, eu com sono leve de ansiedade natalina, acordei com meu pai berrando. Era algo do tipo “Sai pra lá, Papai Noel!! Aaaaai, me arranhou, aaaaai, agora me chutou, aaaaaai!!!”. Passei a odiar o bom velhinho. Em compensação, meu pai, virou meu herói. 

Meu pai, que tem barba vermelha, sempre gostou de posar de salvador. Em circunstâncias semelhantes, ele matou o coelhinho da páscoa. Lembro que tinha 7 anos e a professora perguntava sobre os ovinhos de chocolate. Levantei a mão e falei que, nos meus, ele não tocava. Diante da perplexidade da Tia Marta, expliquei que não dava pra confiar naquele coelho miserável. Percebi, em meio a decepção e ao choro compulsivo do menino Cleiton, que a 2a. série A nunca mais seria a mesma. Virei anti-cristo café com leite.

Não da pra gostar de Natal. Seja no Brasil ou na Noruega, as pessoas terminam as celebracões natalinas mais gordas e mais endividadas. Isso sem falar nos filmes que a TV comeca a exibir. O Mel Gibson fazendo boneco-de-neve, a Julia Roberts em sexo explícito com o Papai Noel e tudo mais que nos deixa a milhas de distância deste mundo irreal. Irreal porque papai noel nao existe e a Michelle Pfeifer estranhamente não engorda no Natal. Intragável. 

O bom de passar o Natal longe do Brasil é que voce foge desta cafonice que é fingir ser inverno. Esta é provavelmente uma das coisas mais absurdas desta época do ano. Os unicos que agradecem a nossa canalhice são os produtores de algodão, que nos proporcionam a sensação de que amanheceu nevando sobre o pinheiro. E só sobre ele. 

Fora os presentes. Deus, eu não sei se é só comigo, mas sou vitima de presentes mal comprados. Sempre ganhei dezenas de chinelos e enfeites de porcelana. E não lembro de um só Natal que minha vó não tenha me dado um guarda-chuva. Criamos, eu e ela, um codigo para evitar sorrisinho de frustração. Eu dizia “é sempre útil”, ela me abraçava e comentava “nunca é demais.” 

Não quero estragar a Noite Feliz de ninguem, e portanto, deixo aqui meus sinceros votos de Feliz Natal. Mas devo avisar : Papai Noel não existe (meu pai acabou com ele nos anos 80), o cartão de crédito há de ser pago no próximo mês, e, 100 gramas de nozes oferecem ridículas 800 calorias. Ah…e caso voce ainda não tenha percebido, o seu Tio Moacir vai voltar a odiar o seu Tio Henrival na manhã do dia 26.  

Jingle Bell. 

 (escrito em Londres, Natal de 2004, aos -5 Celcius)

Então não se deixe enganar, meu querido filho: por trás desta mãe blogueira de aparente inocência e vibrante espírito natalino  jaz uma rebelde anti-natal.

( Isso não quer dizer que eu vá deixar você ir acampar com a Fernandinha no dia 24, porque afinal de contas “Natal sucks e só serve pra invocar o impulso capitalista dessa nossa sociedade  hipócrita, né manhê”) 

Sem chance, filhote.

Enquanto isso, dentro de mim…

Semana que vem entro na 10a semana. Quer saber o que acontece no mundo dos quase-pessoa, entre a 10a. e a 14a. semana de gravidez? Olha essa animação:

Gente. Imagina o que a tecnologia permitirá que os filhos dos nossos filhos vejam! Eu acho que, até lá, será possível acoplar  uma câmera dentro da barriga da grávida, para uma melhor interação com o bebê que se forma. Tipo um Big Brother Baby (mas baixaria free).

Solteiro no Rio de Janeiro

Em meio a correrias de trabalho, família e enjôos daqueles que se tem em passeio de lancha (mas sem aquele glamour inerente aos passeios náuticos, tá darling?) a gente vai tocando o barco (blagh, que enjôo).

Mas ainda bem que existem coisas que são tão, mas tão legais que curam pé chato unha encravada e enjôo de grávida. Por exemplo: a Nina, filhota da Dani e do Marcão E amiga secreta do Noah. Um tantinho de gente, mas que já aprendeu um tantão sobre gentileza, olha só:

Isso mesmo! O (a) irmãozinho (a) do Noah também ganhou presente, ói que delicadeza! E devo dizer que foi o primeiro presentinho, já que, como sabemos, segundo rebento nasce pré-destinado a ser modelo de brechó.

( Se bem que Noah também herdou muita coisa, já que ele tem sorte de ter uma tia queridíssima e de gosto incontestável. Merci, Isa!)

Mas voltando ao presentinho:  então, agora, o baby II tem um par de havaianas que ele não herdou de ninguém, são só só dele.

Obrigada pelos presentes, amiga-não-mais-secreta!

Quanto ao presente do Noah, não preciso nem dizer que você acertou, né? Dá só uma olhada:

Solteiro no Rio de Janeiro. 

Mas se a Nina morasse aqui bem que eu pedia ela em namoro, viu manhê?

a primeira X a segunda (parte I)

Tenho notado algumas diferenças entre a primeira e a atual gestação. Existem duas diferenças que são bastante óbvias: 1. você está mais cansada, afinal já tem um pequenino na área e 2. está mais tranquila,  pois já sabe mais ou menos o que te espera.

Mas daí tem também aquelas diferenças não tão óbvias assim. Por exemplo, em casa.

Primeira gravidez: você e o maridão deitados na frente da TV assistindo aqueles programas que mostram tudo que é tipo de parto, na Discovery.

– Amor, tô num enjôo.

– Sério? Quer comer alguma coisa? Olha, deita aqui que eu vou ligar pro Doutor Marcos.

Segunda gravidez: você e o maridão deitados na frente da TV assistindo aqueles programas que mostram tudo que é tipo de cobra e lagarto, na Discovery.

– Amor, tô num enjôo.

– Que? O jogo?

***

Primeira consulta pré-natal

Primeira gravidez: Chega feliz e saltitante com um vestido comprido e florido.

– Doutor, sabe que eu até já tô sentindo minha barriga crescer, ó aqui ó.

– Imagina. Isso é só o começo, ainda não tem nada aí!

Segunda gravidez: Chega feliz e saltitante com uma calça jeans que você pretende usar por pelo menos mais um mês.

– Ai, Marcos, acho que a pança ainda demora a vir, diz pra mim? Putz, não tô nada a fim de sair comprando roupa larguinha já.

– Olha, se eu fosse você já aposentava essa calça justa. Na segunda gravidez a barriga aparece antes, viu? Por que? Ah, porque a musculatura do abdômem já está mais…erm….relaxada.

***

 Ainda no consultório médico.

Primeira gravidez:

– Então a data prevista é o dia 23 de outubro.

– Ah, tomara que venha antes, né doutor! Não vejo a hora de embalar o meu filhote e depois colocá-lo no bercinho novo. 

Segunda gravidez:

– Então a data prevista é 25 de julho.

– Ai, caramba, tomara que atrase um pouquinho, que essa é bem a semana que vai chegar a caminha do Noah? Bom, qualquer coisa os dois dividem o berço, neah, tipo coração de mãe? 

***

Na clínica. 

Primeira gravidez. 

– A senhora me desculpe, mas essa ultrsonografia é pra ser feita apenas daqui duas semans.

– Ih, é?

Segunda gravidez:

– A senhora me desculpe, mas essa ultra era pra ter sido feita na semana passada.

– Ih, foi?

***

No elevador, com a vizinha.

Primeira gravidez: 

– Ah!  Já falei pra senhora? Tô grávida!

– Meniiiiiina, parabéééééns, que maravilha, que coisa linda, que bênção, você vai se apaixonar pela maternidade, é a melhor coisa do mundo, parabéns!!

(Abre parêntese pra dizer que, como você ainda não é mãe, a vizinha não pode abrir o jogo completamente. Lembre-se que de acordo com o Código Secreto de Conduta Materna as palavras perrengue e exaustão crônica JAMAIS podem ser ditas por uma mãe a uma grávida. Ja-mais.)

Segunda gravidez:

– Ah!  Já falei pra senhora? Tô grávida, de novo!

– Puxa, parabéns. Qual a idade do primeiro mesmo?

– Um aninho.

– Noss..Legal. Aperta o quinto pra mim, por favor?