Palavra de Psicóloga

Bom, e eu que sou louca por um divã (apesar de fugir dele como o diabo da cruz) trago as sábias palavras da psicóloga Aline Melo de Aguiar(•) sobre a importância de uma rede de apoio no processo da amamentação.

Com a palavra, Aline:

(…) Tanto em adolescentes quanto em mulheres mais vividas o processo de encarar a maternidade de frente e assumir que, após nove meses, serão mães, envolve inúmeros aspectos, dentre os quais, uma sutil permissão de sua própria mãe (agora avó, ou outra figura feminima acolhedora). E quando esta mulher (que está mudando novamente de fase no ciclo da vida – o que também pode gerar conflitos) não está por perto, culpas e medos podem se tornar mais fortes neste período de tanta fragilidade que é a gravidez e o pós-parto.

Outro dia ouvi da mãe de um pequeno bebê que pensava em desistir da amamentação no seio quando o filho tinha cerca de 30 dias de vida, mas que sua sogra foi fundamental para que ela mantivesse o aleitamento. Essa mulher, mais velha, vista pela sociedade como uma legítima mãe, pôde validar aquela outra mulher, que estava tão frágil após o parto, na sua função de aleitar. Esta avó simplesmente trouxe o bebê limpo e cheiroso após o banho para perto da mãe e imitando a voz do bebê falou: “mãezinha, estou aqui. Estou limpinho e cheiroso e preciso do seu mamá. Você me pega agora?” Com esta fala, fez com que a mãe se sentisse capaz de cuidar de seu filho, se percebesse com um leite nutritivo e que seu bebê realmente precisava dela. (…)

Adorei, obrigada Aline! 

E é tudo verdade.

Lembro que um dia depois de parir, o Noah estava dormindo e eu me senti  um pouco entediada (como???). Então eu decidi dar um rolê pelos quartos da Maternidade. (que???) Ah, sei lá, vai que alguma outra mãe entediada quisesse ser minha amiga.

Bom, ocorre que a porta do quarto vizinho ao meu estava aberta e eu não pude deixar de ver e ouvir a cena: uma moça com o bebê no colo, amamentando, enquanto as duas senhoras presentes diziam coisas do tipo “logo seca”, “dói, né filha?”, “ai, quando eu me lembro”, “e o peito, o jeito que cai??”

Juro juro juro por Deus, coitadinha da moça. Voltei correndo pro quarto e dei um mega abraço na Dona Marísia, minha mãe, pensando “Graças a Deus você não me diz essas barbaridades, mãe” .

Claro que, em se tratando de Dona Marísia, ela não resistiu e  mandou um ” Nossa, filha, mas que sutianzinho mais feio esse de amamentar, hein? Não deixa o François te ver assim, não, querida, senão o casamento vai pro beleléu”.

(Bem, nem tudo é perfeito. Senão eu ficaria sem assunto pro tal divã.)

 

(*) Aline é mãe da Clara e da Luiza, psicóloga, mestranda em psicologia social com ênfase em desenvolvimento infantil (0 a 3 anos). Para o artigo na íntegra e mais informações sobre o bonito trabalho da Aline http://www.amapsicologia.com.br/artigos/aline/permissao.html)

Anúncios

2 Respostas para “Palavra de Psicóloga

  1. É Roberta, você tem razão. Acho que a forma como as nossas mães encaram a amamentação influencia muito. Minha mãe amamentou 3 filhos, um deles por 2 anos. Então, desde que engravidei, amamentação não foi motivo de preocupação, acreditava que comigo também daria tudo certo. Sorte ou resultado do pensamento positivo, o fato é que deu tudo certo mesmo. Quem sabe blogs como o seu façam o papel que muitas mamães e e titias não estão fazendo…

  2. Eh complicado mesmo, minha mae teve muita dificuldade em me amamentar mas com minhas irmãs foi tranquilo, contudo eu sempre ouvi q so mamei 20 dias, q sangrou, q foi horrivel, etc… isso me dava um medo sabe.
    Quando tive a Amanda alem de todos os medos minha sogra simplesmente teve coragem de impor um stress aqui em casa, proibiu minha familia de vir, etc… chorei tanto, meu leite deve ter dado uma boa diminuida.
    Realmente nao existe receita de bolo pra nada no quesito maternidade, amamentação, etc… a gente tem que dar um jeitinho de contornar as dificuldades q nem sempre sao as mesmas e apoio eh fundamental, sem ele a gente chora sozinha no banheiro! haha Sad but true!!!

    Menina, entao, depois me da seu email em um comentario la q anoto e deleto ai te passo meu numero de telefone! 😀 Vamos caçar blogueiras cariocas? hehe mas olha de qualquer maneira eu ja tenho umas amigas aqui de forum q sao bem legais, as vezes encontro com elas, muitas maes pra trocar figurinhas!hehe
    Deixa eu ir, tenho q fazer o rango da criançada!

    beijocas em vcs!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s